Autoestima nos Relacionamentos Amorosos

21-06-2017
autoestima

É comum notarmos a cada dia mais o surgimento de estudos e pesquisas que abordam a importância de termos uma boa autoestima e como isso pode favorecer nossos relacionamentos interpessoais.

No entanto, vivemos em uma sociedade que, de forma direta ou indireta, nos cobra a importância e necessidade do “ter” para que possamos nos encaixar nos padrões estabelecidos pela mesma e sermos reconhecidos como pessoas de valor. Por vezes, estas imposições acabam sendo canais para que a nossa autoestima seja diminuída de forma gradativa. É possível enxergar a cobrança imposta a nós para termos um corpo adequado aos padrões da moda, uma carreira profissional bem sucedida, de estarmos em um relacionamento amoroso, de termos uma vida social ativa, uma família bem estruturada, casa própria, o carro do ano, jantarmos nos melhores restaurantes, comprarmos nas melhores lojas, entre tantas outras imposições veladas, ou não, com as quais temos que lidar em nosso cotidiano e dentre tudo isso ainda nos é esperado que tenhamos uma boa autoestima.

Tem se tornado difícil viver sem se influenciar por estes padrões e por estas imposições, e se fizermos uma análise é possível perceber que as maiores cobranças que nos cercam estão relacionadas á nossa autoimagem, nosso autoconceito e em relação a como nos posicionamos em nossos relacionamentos, tornando-se mais trabalhoso mantermos um bom nível de autoestima em nossas vidas.

Mas, o que é autoestima?

A autoestima pode ser descrita como a auto- avaliação que um indivíduo faz acerca de si e de seus comportamentos, ou seja, o quanto ele está satisfeito com ele mesmo e com sua vida, o quanto confia em si, um bom nível de auto aceitação e resiliência, respeito de si, capacidade de enxergar seus valores e merecimento, aceitação de sua autoimagem e de seus talentos. Deste modo, a autoestima pode ser definida como um conjunto de pensamentos e sentimentos positivos relacionados a si.

Na contramão da autoestima, temos a baixa autoestima que se refere a pensamentos e comportamentos opostos aos apresentados acima, ou seja, é quando o indivíduo experiência momentos ou passa por um longo período de pensamentos negativos acerca de si, suas capacidades e sua autoimagem.

Sabe-se que experienciamos momentos de autoestima elevados e de baixa autoestima durante nossas vidas. Porém, é preciso construir uma base estruturada da personalidade para que se tenha um equilíbrio emocional maior e assim se eleve nossa autoestima, para ainda que nos momentos de crise possamos nos manter equilibrados, resilientes, compreendendo nosso valor frente às situações e, acima de tudo, compreensão de que aquilo será superado por nós.

Autoestima e os Relacionamentos Amorosos

A autoestima é um quesito importante para nossa saúde mental, vida social e profissional, mas dentro dos relacionamentos amorosos ela se faz extremamente necessária para que possamos entender nosso valor junto ao outro.

É muito comum encontrarmos pessoas insatisfeitas com seus relacionamentos, depositando a culpa em seu parceiro (a) por viver uma relação desgastada. Por sua vez, são poucas as vezes que observamos alguém ou nos observamos, refletindo como nossas atitudes, ou a falta delas, e nossos pensamentos a cerca de nós mesmos podem nos prejudicar dentro de uma relação. Também é comum conhecermos pessoas solteiras que estão em busca de um relacionamento amoroso, mas que por se deixarem afetar por  pensamentos negativos e por sua baixa autoestima, não se permitem vivenciarem de forma tranquila esta busca e então encontram sempre motivos para que o outro não as queira de forma genuína.

Estar com a autoestima elevada nos auxilia a identificarmos quando estamos sendo valorizados ou desvalorizados dentro de uma relação, ajuda a termos mais clareza de qual tipo de relacionamentos queremos estar, a impedir que soframos abusos psicológicos, nos dá mais equilíbrio nos limitando a supervalorização do outro e a nossa própria desvalorização, nos faz buscar por respeito de forma mais ativa, expressar nossa opinião e ter voz dentro do relacionamento. Também vai ajudar a nos desvencilharmos de situações ou de um relacionamento desagradável, a entender que o amor não precisa necessariamente suportar tudo e que temos valor dentro do relacionamento que escolhemos viver.

Deste modo, é importante entender que nossos relacionamentos podem sim ser abalados ou podemos não nos permitir estar em um relacionamento quando estamos com a nossa autoestima muito rebaixada, por isso é preciso estar bem consigo mesmo para vivenciar o amor, seja com o outro, seja o próprio.

Para saber mais participe da palestra “Autoestima nos Relacionamentos Amorosos” com a Palestrante e Psicóloga Drieli Pires Vicentini de Freitas dia 20 de Junho (Terça-Feira) no Salão de Cursos da AICITA (Rua Crescêncio da Silveira Pupo, 75 Loja 1 / Vila Cassaro / ITATIBA SP) as 19:30 horas. Confirmar presença: 4524-2763 / Whatsapp: 994237513 . Solicitamos 1kg de arroz para doação.

 

Driele Pires Vicentini de Freitas

Psicóloga Clínica – CRP 06/124770