Colesterol Infantil

08-08-2013
Dia 08 de agosto é o dia nacional de combate ao colesterol. Muitas pessoas ainda pensam que colesterol alto é doença de adulto ou idoso, mas isso é um grande engano. Crianças muito pequenas e adolescentes já podem ter colesterol e triglicerídeos aumentados. Atualmente este problema vem crescendo de modo alarmante, especialmente nas crianças que apresentam excesso de peso, pois na maioria das vezes, o aumento do colesterol está ligado à alimentação inadequada. É importante salientar que existem várias frações do colesterol, sendo que as mais importantes são: colesterol total, colesterol LDL (ruim), colesterol HDL (bom) e os triglicerídeos. O colesterol LDL é considerado ruim, pois é aquele que mais se deposita na parede dos vasos, produzindo as placas de ateroma (gordura). Já o colesterol HDL é considerado bom, pois é um protetor cardiovascular. Os valores do colesterol e triglicerídeos são diferentes para crianças e adultos, dessa forma é importante que os exames sejam avaliados por um especialista da área. Em crianças e adolescentes, as possíveis causas para o colesterol e triglicerídeos altos podem ser de origem genética, que geralmente são as crianças magras que apresentam o distúrbio; ou de origem exógena, ou seja, pela alimentação com excesso de lipídeos, encontrada especialmente nas crianças e adolescentes com sobrepeso ou obesidade. Dentre os alimentos ricos em colesterol ruim temos: frituras em geral, carnes gordurosas, manteiga, queijo amarelo, leite integral, biscoitos, bolachas, lanches, ketchup e mostarda, entre outros. Já para melhorar o colesterol bom é fundamental fazer atividade física e também ingerir azeite de oliva extra-virgem, castanhas em geral e abacate em pequenas porções. Os triglicerídeos estão em muitos dos alimentos que contém colesterol (citados acima), vale ressaltar apenas que são abundantes dentre os alimentos que contém mais carboidratos tais como: arroz, batata, massas (macarrão, pizza, pães, etc.) e ainda os refrigerantes. Se levarmos em consideração que a primeira causa de morte em todo o mundo são as doenças cardiovasculares, tais como infarto e acidente vascular cerebral (AVC), que ocorrem cada vez mais cedo e que estão intimamente relacionadas ao aumento desses lipídeos (gorduras), então temos sim que nos preocupar com as crianças e os adolescentes. Isto porque o início de todo este processo começa na infância e pode ser revertido com o tratamento precoce. Mudança de hábito Melhorar a alimentação da criança é a primeira fase do tratamento – alimentos que aumentam o colesterol precisarão ser substituídos. Essa mudança, associada à prática de exercícios, ajuda a reduzir o colesterol ruim, o LDL. Saem carnes vermelhas gordurosas, derivados de leite (em especial os integrais), bolacha recheada, sorvete de massa, frituras e embutidos. Entram azeite de oliva, cereais, leite desnatado, frutas, verduras e legumes. O mesmo deve acontecer na escola. Em alguns colégios, as cantinas já deixaram de vender alimentos fritos, por exemplo. Outro diagnóstico comum na infância é o HDL, o colesterol bom, abaixo do esperado. Ele é importante porque recolhe do sangue as sobras de colesterol, fazendo que não sejam depositadas nas nossas artérias; ajuda na formação da membrana celular e é base para formação de hormônios sexuais. Essa alteração acontece porque as crianças hoje são mais sedentárias. O ideal é que seu filho faça atividade física todos os dias por pelo menos 50 minutos. Parece muito, mas pense como o tempo passa rápido quando ele está em uma partida de futebol. Se na sua casa não tem espaço, leve seu filho para andar de bicicleta ou inscreva-o em esportes que ele goste. O ideal não é fazer uma atividade intensa, mas, sim, prolongada. Tendo em vista o aumento crescente das dislipidemias, tanto de causa alimentar como genética, vale o alerta aos pais para que façam avaliações periódicas de seus filhos com o especialista da área, visto que é um problema que se inicia na infância e que se tratado corretamente pode prevenir as complicações futuras. Lembrando que também na medicina homeopática você encontra tratamento.