Como está sua saúde digestiva?

02-03-2015
disgestiva

Uma boa saúde começa com uma boa digestão. O sistema digestório consiste de vários órgãos: esôfago, estômago, intestino que juntos são responsáveis pelo processamento dos alimentos, o que quer dizer, sua degradação em proteínas, carboidratos, lipídios, minerais, oligoelementos e outras substâncias usadas pelo organismo. Ele também assegura a passagem destes nutrientes na corrente sanguínea para que eles possam ser usados pelo corpo. Estas substâncias são a matéria prima para a produção, reparo e controle de vários sistemas do corpo. Por isso é importante que o sistema digestório seja mantido em uma boa condição de funcionamento. Todos nós já experimentamos problemas como prisão de ventre, diarréia, queimação no estômago, flatulência e indigestão. Distúrbios digestivos podem ser problemas sérios como úlcera, gastrite, colite ulcerosa ou câncer. A dieta é geralmente o principal culpado. Na verdade, nós comemos muitos alimentos processados e açúcar mas, não ingerimos fibras, frutas e vegetais o suficiente. Estes hábitos geralmente causam vários problemas estomacais. Hábitos alimentares como comer muito rápido, ou a qualquer hora, também podem ser responsáveis por distúrbios digestivos. Outros fatores de risco são a falta de exercício, efeitos causados pelo tabaco, estresse e álcool. Tomar suplementos de bactérias pré e probióticas, enzimas digestivas, etc. pode ser de grande ajuda.

Dicas para garantir sua saúde digestiva:                                        

- Procure realizar de 05 a 06 pequenas refeições ao dia, em locais calmos e tranqüilos;

- Mastigue bem os alimentos, pois assim ficarão em pedaços menores e haverá estimulação da produção de ácido clorídrico no estômago;

- Evite o consumo de líquidos durante as refeições, pois dilui o ácido clorídrico alterando o pH estomacal. Isto lentifica o processo de digestão, facilitando a fermentação dos alimentos, promovendo distensão abdominal e sensação de queimação;

- Evite o consumo de alimentos refinados e gordurosos, pois favorecem o quadro de disbiose intestinal;

- Aumente o consumo de fibras, incluindo em sua alimentação os cereais integrais, como: quinua, amaranto e arroz integral, frutas, verduras e legumes de preferência orgânicos;

– Para equilibrar a flora intestinal é importante incluir alimentos probióticos que fornecem bactérias benéficas ao intestino;

- É importante lembrar que para fixação e proliferação destas bactérias no intestino é necessário o consumo de alimentos prebióticos, que alimentam a flora intestinal. A farinha de banana verde é um excelente prebiótico, apresenta alto conteúdo de amido resistente, presente na polpa da fruta. Fonte de vitaminas A e do complexo B, dos minerais potássio, magnésio, ferro, cálcio e fósforo. Rica em fibras. Encontrada em pó. Pode ser adicionada a frutas, sucos e em preparações como bolos, tortas e massas de pães.

Para melhorar sua saúde digestiva:

Probiótico: Produto contendo microorganismos que colonizam o intestino e quando ingeridos em quantidades suficientes exercem efeitos benéficos sobre a saúde. Formas de apresentação: cápsulas ou sachê.

Vinagre de maçã: Além de antioxidante ajuda a aumentar a acidez gástrica, melhorando a digestão.

•Sementes de abóbora: Boa fonte de cálcio e magnésio que ainda tem ação vermífuga.

Óleo de coco: Fonte natural de ácido caprilico, tem importante efeito antifúngico. Tem ação antioxidante e é fonte de triglicerídeos de cadeia média (TCM). Substituto da manteiga, margarina e dos outros óleos nas receitas culinárias. Excelente quando misturado nas vitaminas, shakes, batatas e nos legumes cozidos, no arroz e nas massas.

Farinha de banana verde: Apresenta alto conteúdo de amido resistente, presente na polpa da fruta. Fonte de vitaminas A e do complexo B, dos minerais potássio, magnésio, ferro, cálcio e fósforo. Rica em fibras. Encontrada em pó. Pode ser adicionada a frutas, sucos e em preparações como bolos, tortas e massas de pães.

Semente de linhaça: Fonte de ômega 3, lignanas, proteínas, fibras solúveis e insolúveis e compostos fenólicos de ação antioxidante. Como consumir: semente – para melhor obtenção de seus nutrientes, deve ser levemente triturada e guardada em pote bem fechado, escuro e sob refrigeração por até três dias. Farinha – pode ser acrescentada em frutas, iogurtes, saladas, sucos, vitaminas e em preparações como bolos e pães. Óleo – pode ser utilizado sobre saladas ou em qualquer preparação, desde que não seja submetido a altas temperaturas. Ou em cápsulas.

Ração Humana: (de preferência sem glúten):

Para melhorar o processo digestivo sugere-se o consumo de uma xícara de chá de hortelã 20 minutos antes das refeições.