FÍGADO – PERFEITO TERMÔMETRO DA NOSSA SAÚDE – 1a parte

29-08-2016
figado

O fígado, do latim “ficatu”, é a maior glândula e o segundo maior órgão do corpo humano.

O adjetivo hepático, usado na linguagem médica para se referir a coisas relacionadas com o fígado, deriva do grego hêpar que significa reparar, consertar, provavelmente devido à capacidade regenerativa desse órgão.

Localiza-se quase que inteiramente no lado direito no hipocôndrio, pesa de 1,3 a 1.5 kg no homem adulto e na mulher um pouco menos.

Ele realiza mais de 200 trabalhos vitais entre os quais se destacam os processos de desintoxicação e eliminação de impurezas.

Por tudo isso é considerado um perfeito termômetro da nossa saúde.

Funções do fígado, entre tantas podemos citar:

Enfermidades

Entre as principais enfermidades que acometem ao fígado estão:

  • Hepatites virais (agudas e/ou crônicas), ocasionadas pelos vírus A, B, C, D ou E
  • Doenças alcoólicas do fígado;
  • Doenças hepáticas causadas por toxinas;
  • Insuficiência hepática;
  • Fibroses e cirroses hepáticas;
  • Esteatose hepática. Vamos nos deter, um pouco, nesse ponto devido à grande incidência que temos observado no dia a dia.

Nosso fígado possui normalmente pequenas quantidades de gordura, que compõe cerca de 10% do seu peso. Quando o percentual de gordura excede esse valor, estamos diante de um fígado que está acumulando gordura. Para essa situação é dado o nome de esteatose hepática.

Não se sabe exatamente por que alguns indivíduos desenvolvem esteatose hepática, mas algumas doenças estão claramente ligadas a este fato. Podemos citar:

Causas:

- Obesidade : Mais de 70% dos pacientes com esteatose hepática são obesos. Quanto maior o sobrepeso, maior o risco.

- Diabetes Mellitus: Assim como a obesidade, o diabetes tipo 2 e a resistência à insulina também estão intimamente relacionados ao acúmulo de gordura no fígado.

- Colesterol elevado: Principalmente níveis altos de triglicerídeos.

- Drogas. Várias medicações podem favorecer a esteatose. O contato com alguns tipos de pesticidas também está relacionado.

- Desnutrição ou rápida perda de grande quantidade de peso.

- Álcool.

- Gravidez.

Não é preciso ter alguma das condições citadas acima para ter esteatose hepática. Pessoas magras, saudáveis e com baixa ingestão de álcool também podem tê-la, apesar deste fato ser menos comum.

É mais comum no sexo feminino, provavelmente por ação do estrogênio.

Sintomas

Geralmente não apresenta sintomas. Normalmente, o diagnóstico é feito acidentalmente através de exames de imagem, como ultrassonografias ou tomografias computadorizadas solicitadas por outros motivos.

Graus

O que diferencia o acúmulo de gordura benigno da esteatose hepática do acúmulo de gordura prejudicial da esteato hepatite é a presença de inflamação no fígado. Ambos os quadros não costumam causar sintomas.

Geralmente é possível quantificar a quantidade de gordura acumulada no fígado através da ultrassonografia. Os laudos costumam indicar esteatose hepática grau 1 (esteatose hepática leve) quando há pequeno acúmulo de gordura, esteatose hepática grau 2 quando há acúmulo moderado e esteatose hepática grau 3 quando há grande acúmulo de gordura no fígado.

Tratamento

Não existe tratamento. O alvo deve ser o tratamento dos fatores de risco citados acima. A fase de esteatose pode ser reversível apenas com alterações dos hábitos de vida.

A perda de peso é possivelmente a medida mais importante. Deve-se controlar o diabetes e o colesterol. A prática regular de atividade física também ajuda muito, pois diminui o colesterol.

                                                                                                        Continua…