Hemorróidas – encare e trate naturalmente…

25-10-2014
castanha

As hemorróidas, ao lado da constipação intestinal, são as queixas mais frequentes nos consultórios de médicos coloproctologistas. Embora possa acontecer em todas as faixas etárias, é mais comum a partir dos 40 anos de idade, atingindo homens e mulheres em igual proporção, afirmam especialistas.

A doença hemorroidária, popularmente conhecida por hemorroidas, tem cura e seu tratamento, especialmente na fase inicial, é simples. A doença surge a partir da congestão e dilatação dos vasos existentes no canal anal, secundárias a alterações degenerativas de origem ainda desconhecida. As principais causas são a constipação intestinal – com consequente esforço para eliminação de fezes secas e endurecidas – predisposição familiar, esforços físicos exagerados, obesidade e gravidez. Na gravidez, os vasos estão mais ingurgitados e é mais comum a constipação intestinal.

Os dois principais sintomas das hemorróidas são sangramentos e prolapso retal durante a evacuação. Também pode acontecer desconforto, prurido e dor neste momento. Um grande inimigo das hemorroidas é o preconceito e a desinformação. Além do exame proctológico, o medo do tratamento das hemorróidas, entendido como bastante doloroso, afasta os pacientes dos consultórios. Mas é exatamente este paciente que sem tratamento, corre risco de ter seu quadro agravado, com sangramentos às evacuações e desconforto cada vez mais frequentes na região anal, podendo chegar a trombose hemorroidárias e à necessidade de uma cirurgia de urgência.

Por outro lado, se o diagnóstico é feito logo no inicio, o tratamento poderá ser apenas clinico, com correção  do hábito intestinal, por meio de orientação para uma dieta alimentar rica em fibras e água e incentivo à pratica de atividade física. Outro risco que o paciente corre ao permanecer com os sintomas sem buscar tratamento é que os mesmos sintomas das hemorróidas podem vir de doença mais grave, como o câncer de reto e do canal anal.

A hemorróida é mencionada nas escrituras médicas de várias culturas Hindus, Babilônicas, Grega, Egípcia e Hebraica. A palavra “Hemorróidas” é derivada do grego       “haema” – sangue, e “rhoos” = fluir, e foi usada por Hipócrates para descrever o fluxo de sangue das veias do ânus. Em tempos antigos, a hemorróida  era simplesmente tratada com emplastro e repouso. Um método simples era rezar para o santo dos que sofrem de hemorróidas, o Santo Fiacre, um padre irlandês que viveu no século sétimo. A terapia de injeção começou em 1869, quando se usava persulfato de ferro. Com o tempo, as formas de tratamento evoluíram e, em 1935, foi fundado o hospital St. Mark’s por Fredrick Salmon, a quem foi dado o mérito do primeiro ligamento de hemorróidas, o que foi um ponto importante no seu tratamento.

Contudo, tendo em vista o crescimento do uso de extratos botânicos, destaca-se a suplementação oral com Aesculus hippocastanum  e Hamamelis virginiana para tratamento das hemorróidas.

Castanheiro-da-índia

Espécie: Aesculus hippocastanum

Família: Hippocastanaceae

Popularmente conhecida como castanheiro-da-índia, castanheiro-de-flor-vermelha, a parte geralmente usada desta planta é a semente. É utilizada no tratamento de veias varicosas, hemorroidas, flebite, diarréia, febre e aumento da glândula prostática.

Composição:

Cumarinas: esculetina, fraxina (glicosídeo de fraxina), escopolina (glicosídeo de escopoletina).

 

Hamammelis

Espécie: Hamamelis virginiana

Família: Hamamelidaceae

Esta planta é conhecida popularmente com hamamelis, amieiro-mosqueado, aveleira-de-bruxa, aveleira-de-feiticeira, flor-do-inverno e vara-mosqueada. As partes geralmente usadas são a casca e a folha. A essa planta são atribuídos propriedades adstringentes, anti-reumáticas e anti-inflamatórias. Seu uso é preconizado no tratamento de hemorroidas.

Fonte= Sap/ Racine/ Fitoterapia, volume 161