Untitled Document

[ Artigos ]

] Unhas quebradas e lascadas nunca mais!
Acredite, cerca de 99% das mulheres têm alguma reclamação com relação às suas unhas. Muita gente pensa que batendo cartão semanalmente na manicure, resolverá todo  e qualquer problema. Quem dera! A verdade é que a beleza das unhas está diretamente ligada à influência de inúmeros fatores, externos e internos. E, para combatê-los, é preciso primeiro conhecê-los.

Os principais fatores externos que agridem as unhas são as substâncias abrasivas, como a acetona e lixa, mas aqui também entram os produtos de limpeza e até mesmo o sabonete, que quando usado em excesso, retira a proteção natural da unha, deixando-a sensível e mais propensa a doenças. Entre os fatores internos, os mais comuns são problemas de metabolismo, alergias, anemias ou deficiências de nutrientes essenciais na formação das unhas, como o cálcio.  O resultado é a fraqueza, as ondulações, a descamação, o ressecamento excessivo e as manchas brancas, mas é importante ressaltar que estes não são os únicos motivos de problemas nas unhas. As manchas brancas, por exemplo, caracterizam um sinal de alergia a produtos, como esmaltes, detergentes ou sabões, mas também podem ser indicadoras de doenças, como a psoríase, micoses, infecções por fungos e anemias. As unhas esbranquiçadas, com ondulações e quebradiças podem indicar problemas na tireóide e na paratireóide. “As alterações hormonais acabam modificando a matriz da unha que começa a produzir queratina de maneira irregular, o que faz a unha nascer deformada”. Já unhas fracas, quebradiças ou descolando, além de indicar doenças da tireóide, podem significar diabetes, anemia, carência de ferro e alergias a medicamentos.

Aquelas manchinhas brancas que costumam andar pela unha até desaparecer podem indicar traumas por lesões simples. “Quem trabalha muito com a mão nem percebe, mas pode ter lesionado a unha. A mancha é resultado do descolamento das lâminas internas da unha”. Apesar de deixar a unha feia, não tem gravidade nenhuma. Ao constatar qualquer alteração na cor ou no formato das unhas, o mais indicado é procurar um dermatologista que, com exames, eliminará a possibilidade de qualquer uma destas doenças. O profissional também indicará tratamentos e produtos mais indicados para fortalecer suas unhas, mas, com algumas atitudes básicas, que você pode e deve tomar, você mesma pode manter a saúde e a beleza das unhas. Confira:

Na dieta
As unhas e os cabelos são os primeiros a sentir a falta de nutrientes provindos da alimentação. Isso acontece porque o corpo, percebendo a carência, pára de enviar nutrientes para eles, beneficiando os órgãos vitais do corpo. Uma alimentação saudável, rica em proteínas, vitaminas e sais minerais, é o principal caminho para manter as unhas, e todo o corpo, saudáveis. O cálcio é o principal mineral da composição das unhas. A ingestão de leite, seus derivados e de frutos do mar, alimentos com grandes concentrações de cálcio, ajuda no fortalecimento e na manutenção da saúde das unhas. O ferro, encontrado no espinafre, no almeirão, na rúcula, no feijão, nas frutas vermelhas e na carne do fígado bovino, também é essencial. No geral, se a pessoa evitar dietas muito restritivas e consumir diariamente todos os nutrientes necessários para a saúde do corpo inteiro, as unhas também serão beneficiadas se mantendo fortes e bonitas.  

Em casa

Manter as unhas hidratadas ajuda a deixá-las saudáveis e bonitas. Se as suas estão muito ressecadas, chegando a descamar, é recomendo ficar alguns dias sem aplicar esmaltes ou o uso de hidratantes com uréia na fórmula. “O uso de luvas de borracha toda vez que entrar em contato com produtos de limpeza, como detergentes de louça, sabão em pó ou desinfetantes, é uma atitude simples, mas muito eficaz para preservar a saúde e a beleza das mãos e das unhas”.
Uma hidratação diária para recuperar unhas ressecadas e enfraquecidas ´e recomendada. Aplique um creme com pelo menos 10% de uréia na fórmula, massageando bem as unhas, as cutículas e as mãos. Em seguida, coloque as mãos em uma tigela de água quente e deixe até esfriar. Este hábito simples de cuidado tem um poder impressionante de recuperação das unhas. Outro hábito importante de se manter é o de hidratar as mãos sempre depois de cada lavagem, além de utilizar um sabão um com pH neutro. Os óleos essenciais de amêndoa e cravo da índia também são uma boa alternativa para hidratar as unhas e as cutículas. O ideal é aplicar diretamente na unha, sem esmalte, massagear e só então aplicar a base, de preferência uma fortalecedora com vitaminas.

Na manicure
O ideal seria não tirar a cutícula porque ela protege as unhas, mas convenhamos que isso é uma tarefa difícil!. Recomenda-se então, que as cutículas sejam retiradas uma vez ao mês e nas outras semanas, sejam apenas empurradas com a espátula. Além disso, escolha salões onde todo o material é esterelizado, evitando assim contaminação por fungos (micoses), bactérias e vírus, como o da hepatite C e da Aids..
Na hora de cortar e lixar, lembre-se de respeitar o formato. As unhas das mãos devem ser lixadas, preferencialmente, de forma arredondada, já que as quadradas são mais fáceis de quebrar. Já as dos pés devem ser cortadas na forma quadrada para evitar encravar.

Mesmo que suas unhas estejam saudáveis, evite o uso da acetona, que resseca e agride a superfície. Dê preferência por removedores sem ela na fórmula. Evite também lixar a parte de cima das unhas, ato que afina e enfraquece ainda mais. Na recuperação, recomenda-se o uso de bases e esmaltes fortalecedores. Os mais indicados são os que possuem vitaminas, cálcio, formol e pantenol na fórmula. E lembre-se, se você for alérgica, compre esmaltes antialérgicos e leve-os toda vez que for na manicure. Como o esmalte impede que as unhas respirem, tire o produto das unhas dois dias antes de ir à manicure. Na hora de aplicar o esmalte, duas dicas para que ele fique lisinho e sem manchas: espere cada camada secar antes de aplicar a próxima e não assopre para acelerar o processo de secar. Isso causa pequenas bolhas no esmalte.

  • Você sabia que Comer gelatina faz bem para as unhas. As unhas são feitas basicamente de queratina e colágeno e a gelatina é constituída de 85% de proteína, principalmente colágeno. Por isso, se quiser fortalecer as unhas, coma gelatina! Ou mesmo utilize-a em cápsulas ou em pó.
  • Mito: Esmaltes escuros não fortalecem as unhas como muita gente pensa. O que acontece é que os esmaltes de cores escuras são, normalmente, mais espessos, o que deixa as unhas mais fortalecidas. Mas isso é só enquanto estamos com elas pintadas. 

Você freqüenta a manicure toda semana para manter as unhas sempre reluzentes e conservadas. Não importa o tom do esmalte, claro ou escuro, o que vale é estar com as mãos sempre limpas e bonitas. Mas será que fazer as unhas basta para mantê-las livres de micoses e bactérias? Debaixo das unhas de uma pessoa podem ser encontradas células mortas, poeiras, ácaros, bactérias e fungos. Isso sem contar resíduos diversos que dependem da atividade profissional da pessoa.  Se você costuma devorar as unhas da mão, fique sabendo que além de interferir na sensibilidade tátil, o ato de roer aumenta o risco de inflamações e infecções.

O que é a onicomicose?
Onicomicose é a infecção que acomete as unhas, causada por qualquer tipo de fungo. Pode ser adquirida de várias formas, como pelo contato com o solo, animais e outras pessoas, além de alicates e tesouras que estejam contaminados. Os fungos mais frequentemente implicados pertencem a um grupo chamado de dermatófitos, os quais se alimentam de queratina, a "matéria-prima" das unhas. Qualquer unha pode ser acometida, porém as unhas do pé são mais frequentemente afetadas, devido principalmente ao uso constante de tênis e sapatos, propiciando um ambiente úmido, escuro e aquecido, que é favorável ao desenvolvimento dos fungos. Na maioria das vezes, apenas uma ou duas unhas estão doentes, sendo raro o acometimento de todas as unhas simultaneamente. Normalmente, a primeira unha acometida é a do "dedão do pé". Inicia como uma mudança na cor da unha (amarelada, esbranquiçada ou amarronzada), na ponta, espalhando-se por toda a espessura da unha e depois em direção à cutícula. Com o passar do tempo, a ponta da unha se quebra ou é retirada pelo indivíduo, deixando a pele sob a unha exposta, local onde o fungo está realmente se multiplicando. O restante da unha pode deformar-se, permanecendo assim indefinidamente, se não tratada.
As principais alterações observadas são as seguintes:

  • Descolamento da ponta da unha: é a mais freqüente;
  • Espessamento: as unhas tornam-se endurecidas e grossas, podendo ser dolorosas.
  • Leuconíquia: manchas brancas na unha.
  • Destruição e deformidade: a unha fica frágil e quebradiça, deformando-se.
  • Paroníquia: nessa forma especial, o acometimento é na região do dedo ao redor da unha, que fica inflamada, avermelhada, inchada e dolorida.

Como é feito o diagnóstico?
Na presença de qualquer uma dessas alterações descritas, recomenda-se procurar um médico, de preferência um dermatologista, a fim de que seja feito o diagnóstico correto e iniciado o tratamento o mais rápido possível. No entanto, muitas vezes as pessoas não buscam atendimento por acharem que o quadro é normal, especialmente se as alterações são apenas de coloração e/ou espessura. Na grande maioria das vezes, não é necessária a realização de nenhum exame. Quando indicado, o exame mais utilizado para confirmar a infecção consiste na raspagem da unha acometida e exame do material em um microscópio. Ele permite que o médico visualize o fungo causador da infecção.

Como é feito o tratamento?

O tratamento pode ser realizado sob a forma de medicação tópica, como cremes, soluções e esmaltes, ou com o uso de medicação sistêmica tomada por via oral. Porém, o tratamento local frequentemente é ineficaz na eliminação total da infecção, e o sistêmico associa-se a alta taxa de falha e recorrência. Os motivos podem ser a resistência do fungo ao medicamento usado ou características individuais que podem dificultar a ação do mesmo. Apesar disso, o tratamento deve ser realizado, podendo ser modificado caso não haja resposta, até que se obtenha a cura.Somente o médico está habilitado a recomendar o tratamento adequado, e o uso de medicamentos, indicados por outras pessoas, pode alterar e disfarçar as características, que permitem o diagnóstico correto da infecção, dificultando o reconhecimento pelo médico. Para que o tratamento seja eficaz, o fungo deve ser totalmente eliminado da unha. Isso requer que a unha doente seja totalmente substituída por uma nova unha sem infecção, o que depende do crescimento da mesma. Esse crescimento é bastante lento, sendo de aproximadamente 6 meses para as unhas das mãos e de até 12 meses para as do pé. Por isso, o tratamento deve ser prolongado.


Dicas: Como cuidar de unhas quebradiças?

-    Aposente sua acetona. Além de ser proibida, sua composição química é muito forte e prejudica a saúde da unha. Dê preferência ao removedor de esmalte.

-    Corte as unhas e as iguale com o mesmo tamanho. Só assim você terá um crescimento equilibrado e constante.

-    Lixe as pontas das unhas com muito cuidado para não esfoliar e danificar as camadas de proteína. Não há necessidade de lixar a superfície da unha porque, muitas vezes, isso contribui para enfraquecimento da mesma. Ao invés de utilizar a lixa de metal, prefira a de papel que agride menos a unha.

-    As cutículas não devem ser retiradas em casa. Deixe que a manicure faça isso pelo menos uma vez por mês, afinal elas possuem técnicas especiais para não machucar a unha.

-    Aplique a base fortificante. Se possível, deixe de passar esmalte por alguns dias. Como já foi dito, ele impede que a unha respire.

-    Óleos essenciais de amêndoa e cravo da índia podem ser pincelados no lugar da base. Além de fortificar, eles hidratam as unhas.

-    Reaplique a base (ou o óleo essencial) pelo menos duas vezes por semana. Repita o processo por, no mínimo, um mês.

-    Caso não haja melhora visível e um resultado satisfatório, consulte um dermatologista e siga suas orientações. Remédios, cápsulas de vitaminas e produtos manipulados acelerarão o crescimento de suas unhas.

Você sabia?

-    O excesso de sabão deixa as unhas mais sensíveis. Por isso, limite a quantidade durante as lavagens e, se possível, use sabonetes suaves para não agredir a unha.

-    Seque bem mãos e passe hidratante na pele. Sem dúvida, as unhas também serão hidratas neste processo.

-    Quando for lixar, não modele a unha no formato “quadrado”. As laterais arredondadas diminuem as chances das unhas quebrarem.

-    Sempre que possível, use luvas quando estiver em contato com a água – por exemplo, ao lavar a louça. Em casos extremos, evite longas exposições na água, como nadar.

“Cuidar das unhas é uma questão de higiene, estética e estilo”. Para finalizar, uma última dica: “procure sempre hidratar sua pele porque mãos desidratadas são o primeiro passo para ter unhas quebradiças”.

 

 

< voltar